Câmara realiza audiência para buscar soluções à segurança em Caxias

Reunindo autoridades policiais, deputados federais e estaduais, vereadores, secretários municipais e população, a Câmara de Duque de Caxias realizou na noite de sexta-feira, dia 6, uma audiência para buscar soluções à segurança pública. Os principais problemas foram levantados e sugestões foram apontadas para tentar garantir a sensação de segurança.

Presidente da Comissão de Segurança da Câmara, o vereador Guilherme é a esperança (Podemos) calculou que a Cidade deveria ter, pelo menos, 1.600 policiais, mas conta apenas com 520. “Essa quantidade para se dividir entre quatro distritos, fora a falta de viaturas. O prefeito prometeu 50 viaturas para o 15º Batalhão da PM, ele está se esforçando, mas precisamos também que os deputados da nossa Cidade se empenhem para enviar emendas parlamentares para a segurança.”

O deputado federal Celso Pansera (PMDB) mostrou que está engajado no tema. “Temos onze deputados federais na Baixada Fluminense, nos unimos e estamos apresentando emenda para comprar 200 veículos para destinar aos batalhões da Baixada. Fora isso, estou separando R$ 500 mil das minhas emendas individuais para a Prefeitura comprar 13 veículos para o 15º Batalhão de Caxias, é o que podemos fazer por enquanto.”

Reiterando seu compromisso com a segurança, o deputado estadual Rosenverg Reis (PMDB) anunciou algumas ações. “Vamos fazer no antigo prédio da 59º DP o maior centro de monitoramento, junto com as polícias civil, militar e rodoviária federal, com o que há de melhor em tecnologia. Fiz um projeto de lei para que se possa pegar em veículos o ICMS devido pelas montadoras de carro do Estado do Rio de Janeiro, para garantir mais viaturas. Sou defensor do retorno dos policiais das UPPs para os batalhões, isso aumentaria os efetivos.”

O deputado estadual Geraldo Moreira (Podemos) observou que os debates não têm tido êxito. “É preciso um trabalho de investigação, de inteligência, para estudar por onde chegam as drogas e as armas, para descobrir onde se refina a cocaína, estamos fazendo tudo ao contrário. Tenho trabalhado na Alerj também em função da segurança, mas o governo dá muito importância ao que a mídia diz. Tem muito mais policiais na Rocinha do que em Caxias, porque o foco está lá.”

Concordando com o deputado, o vereador Valdecy (PP) acrescentou: “Comunidade nenhuma produz armas e drogas, o Geraldo Moreira está certo quando diz que é preciso seguir a rota das armas, munições e drogas. É preciso proteger as nossas fronteiras para barrar essas entradas e combater o mal. Hoje, o cidadão de bem está sitiado e os bandidos tomando conta de tudo.”

O vereador Beto Gabriel (PV) destacou que o problema da segurança é social, político e econômico. “Não adianta somente prender o traficante, tem que dar educação para crianças e jovens da comunidade.”

Cobrando respostas imediatas, o vereador Wendell (PCdoB) frisou: “As notícias de violência já parecem normais, não aguentamos mais. Nós procuramos fazer nossa parte, mas queremos soluções imediatas para tranquilizar a população. Gostaria de sair dessa audiência com informações que vão garantir a melhoria da segurança na Cidade.”

Representando a Secretaria de Segurança do Estado, o coronel Alexandre Souza afirmou que segurança não é uma questão somente de polícia. “Apesar de todo esforço que a polícia vem fazendo, não vemos melhora no Rio de Janeiro. Se não houver participação efetiva das esferas estaduais e federais, não vamos ter segurança. A UPP não é o projeto que se idealizou, mas também não é todo esse fracasso que falam, ele está sendo reestruturado. Haverá aporte de recurso financeiro para compra de viaturas até o final desse ano, a polícia está credenciando oficinas mecânicas para realizar a manutenção dos carros. Criamos a delegacia que faz repressão de armas que, em seu primeiro trabalho, apreendeu 60 fuzis no aeroporto, o que deveria ser trabalho da polícia federal.”

Comandante do 15º Batalhão de Polícia de Caxias, coronel Porto divulgou que recebeu um reforço de 35 policiais. “Eles vieram da esfera administrativa e estamos trabalhando para realocá-los, não é o número ideal, mas qualquer reforço é bem vindo, pois temos apenas 180 homens por turno, é muito difícil. Também recebemos 14 viaturas no mês passado, o custo da manutenção é muito alto, o deputado Pansera e alguns vereadores têm nos ajudado do próprio bolso para consertar alguns carros, sem essa contribuição, nem conseguiríamos trabalhar.”

Delegada titular da 59ª DP, Raissa Celles reforçou que as polícias estão precisando de ajuda. “Infelizmente, o poder público não fechou nenhuma parceria com a 59ª DP, falta até papel para fazer registro de ocorrência. Alguns empresários se sensibilizam para ajudar, chegou a hora de todo mundo fazer sua parte porque a segurança pública está agonizando, falta suporte social, faltam meios para trabalharmos mais.”

Secretário municipal de segurança pública, Robson André fez uma solicitação ao deputado federal Pansera. “Peço ao deputado que faça um requerimento para que os carros que forem apreendidos com narcotraficantes passem às polícias, é uma vergonha que os carros apreendidos fiquem apodrecendo nos pátios e as polícias carentes de veículos para trabalhar.”

Ação contempla moradores do Vale do Ipê em Belford...
Prefeito visita obras de desassoreamento do Rio Ca...
 

Comentários

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Login Aqui
Visitantes
Quarta, 18 Outubro 2017