Estrada do Malafaia começa a receber intervenções

Após quase 30 anos de espera, o sofrimento dos milhares de moradores da Estrada do Malafaia, que liga a Rua Salvatori, no Rocha, a Avenida Maricá, no Colubandê, está perto de acabar.

Há pouco mais de uma semana, homens da prefeitura estão trabalhando em toda a extensão da estrada, realizando consertos de manilhas, recolocação de tampas de bueiros e limpando a via que está sendo preparada para receber asfalto e calçadas novas. As obras são uma reivindicação antiga dos moradores, que atualmente não têm transporte público na porta e precisam percorrer um longo caminho para terem acesso aos ônibus. 

Moradora do local há 54 anos, Jani Vilella, de 71 anos, e sua filha, Aline Villela, 34, sofrem diariamente com os problemas ocasionados pelos buracos e pela poeira, além da lama quando chove forte. 

“Aqui nós sofremos com a poeira dentro de casa e com problemas respiratórios. Não temos também ônibus na porta há mais de 10 anos, pois caminhões de uma antiga pedreira estragaram o resto de asfalto que existia aqui. Precisamos andar quase 10 minutos para pegar um ônibus e quando chove ficamos ilhadas em casa”, relatou Jani. 

De acordo com o coordenador do Departamento de Conservação do 1º distrito, José Carlos, a obra está em fase de preparo da via para receber as melhorias. 

“Estamos refazendo algumas manilhas que foram quebradas, limpando as que estavam bastante entupidas e limpando e acertando a rua. A próxima fase é a urbanização da via, que irá melhorar muito a vida de quem mora aqui”, disse José Carlos. 

Os moradores também relataram que, há cerca de um ano, fizeram paliativo na via, mas após as chuvas a estrada voltou a apresentar buracos, além de enchentes e muita lama. 

Para o funcionário público Paulo Luiz de Castro, morador há 40 anos da Rua Vanda de Souza Ramos, na esquina da Estrada do Malafaia, o trabalho de recolocação de manilhas é fundamental para que a estrada não apresente novos problemas. 

“Há um tempo retirei blocos de cimento de dentro da manilha que entupiam as galerias. Não adianta refazer a estrada, colocando asfalto e calçadas novas, se continuarmos com os problemas de alagamento e enchentes. A obra está no ritmo certo, pois primeiro temos que reparar o problema para depois arrumarmos a casa”, concluiu Paulo.

Agora é lei: microcervejarias são incentivadas com...
Servidores que não fizeram o recadastramento ficar...