Crivella lança programa de tratamento de varizes graves que dispensa cirurgia

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, lançou nesta quinta-feira, 10 de maio, um programa para tratamento de varizes graves com uma alternativa melhor à cirurgia convencional e que vai acabar com o sofrimento de 3.700 pessoas que aguardam na fila de espera do Sisreg (Sistema de Regulação) por uma solução para o problema. O procedimento, realizado ambulatorialmente, ou seja, sem necessidade de internação do paciente, poderá, em muitos casos, substituir a cirurgia e será implantado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) em cinco hospitais da rede.

- É um procedimento bem menos invasivo, as pessoas saem andando e em pouco tempo as feridas cicatrizam. Estamos falando de casos graves de varizes, em que a pele fica escura, com caroços na perna, na altura do tornozelo. Vamos levar alívio a essas milhares de pessoas - disse Crivella.

O novo método é reconhecido pelo Ministério da Saúde que autorizou a realização do procedimento pelo  SUS. A medicação utilizada, o Polidocanol, é injetada na veia em forma de espuma, provocando o fechamento das varizes e acelerando a cicatrização. São feitas em média três ou quatro aplicações do produto, em intervalos de duas ou três semanas. Já na primeira aplicação é observada uma boa melhora na perna do paciente, com redução da dor.

Todo o tratamento – que é de baixo risco – é feito durante consultas ambulatoriais e, na grande maioria dos casos, evita a necessidade de cirurgia e de anestesia geral. É indicado também para idosos que, devido às condições clínicas gerais, não poderiam passar por uma operação.

- Uma das principais complicações para quem não se trata são as feridas abertas - explicou o secretário municipal de Saúde, Marco Antônio de Mattos.

- Muitos pacientes que sofrem com varizes evoluem para úlceras nas pernas que podem infeccionar, necessitando de curativos frequentes, antibióticos e, às vezes, internação hospitalar - completou.

Na rede municipal, o procedimento será oferecido nos hospitais municipais Rocha Faria (Campo Grande), Souza Aguiar (Centro), Lourenço Jorge (Barra), Salgado Filho (Méier) e Miguel Couto (Leblon), que já contam com serviço de cirurgia vascular, cada um numa região da cidade: Centro, Zona Sul, Zona Norte, Zona Oeste, Barra e Jacarepaguá. Antes, apenas a Policlínica Piquet Carneiro, da UERJ, oferecia vagas para este procedimento pelo sistema de regulação. A previsão é de que, a cada semana, cem pacientes que aguardam na fila do SisReg sejam atendidos.

Cerca de 70% dos adultos brasileiros têm algum tipo de varize, estima o Ministério da Saúde. O problema é o 14° causador de afastamentos do trabalho. No caso das varizes mais graves, as que causam feridas e escurecimento da pele, elas chegam a ser o 4° motivo mais frequente de licenças por saúde dos trabalhadores.

Nas notas e acordes, jovens têm realidade transfor...
Prefeitura de São João de Meriti lança projeto na ...